Páginas

sábado, 7 de janeiro de 2012

Terapia Gênica - A nova fronteira da medicina



O termo já ganhou fama, Terapia Gênica. E com razão. É uma ferramenta poderosa e promissora em diversas áreas da ciência.

Terapia Gênica se refere à terapia onde se utiliza um determinado gene para curar uma doença ou induzir uma determinada resposta (como numa vacina). Por exemplo, a fibrose cística é uma doença de fundo genético, ou seja, a origem da doença está no gene que dá origem a um transportador iônico chamado CFTR (Cystic Fibrosis Transmembrane conductance Regulator, ou Regulador de Condutância Transmembranar da Fibrose Cística). Nos pacientes, esse gene é defeituoso, e dá origem a um transportador defeituoso. Havendo um gene “correto” da CFTR, esse problema seria resolvido, e o paciente seria curado.

Identificar o gene importante para curar determinada doença/vacina é a parte mais fácil (e às vezes nem é tão fácil assim). Colocar o gene de interesse dentro da célula do paciente e conseguir a sua expressão a contento é que é complicado.

Primeiro temos que resolver a questão: Como colocar um DNA dentro de uma célula? No laboratório, numa cultura de células, isso é fácil, trivial até, mas em seres vivos complexos nem tanto. Existem algumas alternativas: usar o DNA sozinho (ou nu, como se costuma chamar), complexar ele com moléculas que tenham a capacidade de se fundir com as membranas nas células, ou colocar ele dentro de um vírus. Isso mesmo, os vírus são mestres em transferir seu material genético para células hospedeiras, o que faz deles as melhores ferramentas para isso.

Os vírus usados em terapia gênica são modificados, se tornando não infecciosos (não se replicam dentro da célula) e não patogênicos (não causam doença), eles apenas conseguem transferir o gene de interesse para a célula. Esses vírus são chamados de vetores, um nome muito apropriado, já que vector em latim significa “aquele que entrega”. Uma vez dentro da célula alvo o DNA é expresso, dando origem à(s) proteína(s) de interesse. Mas geralmente não por muito tempo. Acontece que as nossas células estão programadas para combater materiais genéticos estranhos (afinal, elas aprenderam ao longo de muitos milênios de infecção a se precaver contra vírus), e esse material dura muito pouco dentro da célula, antes de ser degradado pelo seu sistema de defesa. Além disso, o vírus não se replica dentro da célula (nem o gene dentro do vírus).
Uma alternativa para solucionar esse problema é usar como vetores vírus que além de entregar esse gene de interesse para às células-alvo integrem esse gene no DNA da própria célula, sendo assim, o DNA da terapia vai se comportar como se fosse o DNA da célula, sendo inclusive duplicado toda vez que o DNA da célula for duplicado. No entanto, isso pode gerar vários problemas. Imagine se esse DNA acaba parando dentro de um gene importante? Esse gene importante não vai mais funcionar como deveria (ele será “truncado”). Esse gene pode se integrar dentro de um gene repressor de tumores, por exemplo, e sem a repressão, isso pode levar ao desenvolvimento de câncer. Esse deve ser um problema a ser solucionado (e está sendo) antes de considerarmos o uso desses vetores em terapias gênicas.

Embora ainda precoce, a terapia gênica têm muito potencial. Ela pode ser utilizada para curar doenças de fundo genético, seja ela causada pela não-expressão de um gene, sua expressão descontrolada, ou por um gene que gere uma proteína defeituosa/anormal. Pode também ser usada para curar doenças infecciosas, como a AIDS. A terapia gênica pode ainda ser utilizada para produção de uma nova classe de vacinas, ou até mesmo para terapias que substituam vacinas. É claro que a teoria é sempre linda, mas a realidade de fato sempre têm mais nuances e facetas. Por isso, todos os estudos utilizando terapia gênica ainda são preliminares, e poucos foram realizados em humanos. Todas as consequências de se inserir um DNA estranho (e vírus) num organismos estão sendo estudadas, a fim de que se possa restringir ao máximo qualquer efeito danoso desse procedimento.

Mas com o tempo, a tendência é que as limitações sejam contornadas e mais e mais estudos entrem em fase clínica (com experimentos em humanos), acumulando conhecimento. E uma vez que essa técnica seja totalmente dominada, uma mudança de paradigma pode ser esperada. A terapia gênica promete revolucionar a medicina, como fizeram os antibióticos, a anestesia e as vacinas antes dela.


Por Luiza Montenegro Mendonça.
Ilustração retirada daqui.

Um comentário:

  1. Quero agradecer ao Dr. Eboh pelo medicamento fitoterápico para o HIV que ele deu para mim e para minha filha, eu estava com HIV quando dei à luz minha filha e foi assim que minha filha pegou a doença indiretamente de mim, mas para Deus seja a glória que eu estou curar com o remédio herbal que o Dr. Eboh me deu quando eu entrei em contato com ele. Eu quero usar este meio para dizer a todos que a solução para a nossa doença chegou, então eu gostaria que você contatasse este grande curador com ele todas as suas dores desaparecerão, eu estou realmente feliz hoje que eu e minha filha estamos curados HIV, agora estamos negativos após o uso de seu remédio, meu médico confirma. mais uma vez eu digo um grande obrigado a você Dr. Eboh, seu site: https://holycurecenter.wordpress.com para curar as mãos sobre a minha vida e minha filha, eu digo que Deus continue a abençoar você abundantemente e dar-lhe mais poder para manter ajudando aqueles que querem sua ajuda em suas vidas. mande-o por e-mail agora ele está esperando para te receber. holycurecenter@gmail.com ou adicione-o no whatsapp 2348053823815.

    O Dr. Eboh PODE TAMBÉM CURAR A SEGUINTE DOENÇA: -

    1. HIV / AIDS
    2. HERPES
    3. CÂNCER
    4. ALS
    5. feitiço de amor
    6. Lotto Feitiço

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...