Páginas

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Enquanto isso, num portal de um conglomerado qualquer...


Uau! Incrível! Gêmeos univitelinos (que derivaram de um mesmo óvulo e um mesmo espermatozóide) que nasceram com 5 anos de diferença? Preciso ler!

Só que lendo a matéria a gente percebe que não é bem assim. Pra começar, você descobre que os gêmeos são menino e menina (o quê???), o que de cara descarta a hipótese de serem univitelinos, já que esse tipo de gêmeos tem o mesmo DNA, e portanto, sempre são do mesmo sexo.

Bom, talvez eles não sejam univitelinos, gerados de mesmo óvulo e mesmo espermatozóide, mas tenham vindo do mesmo óvulo, como informava no site. Só que isso não é possível! Cada óvulo é único. Tanto óvulos quanto espermatozóides são gametas, células haplóides (n) com o objetivo de reprodução sexuada. Pense só, na espécie humana as células tem 23 pares de cromossomos (são diplóides, 2n), total 46 cromossomos. Mas se um embrião é resultado da fusão de um óvulo com um espermatozóide (e supondo que eles fossem diplóides), esse embrião teria 46 pares de cromossomos, 92 cromossomos! Certeza de retardo mental severo! Sabemos que cromossomos a mais nunca dão certo... Por isso existem a meiose e os gametas. A meiose é um tipo de divisão celular que reduz pela metade o número de cromossomos da célula. Os cromossomos continuam (quase) os mesmos, só que ao invés de pares de cromossomos, a célula termina com apenas uma cópia de cada um deles. Eu digo quase os mesmos porque durante a meiose ocorre uma recombinação genética chamada cross-over, o que faz com que cada óvulo e espermatozóide sejam únicos (e garante que você não seja igual aos seus irmãos, apesar de terem os mesmos pais).

Além do mais, gametas não fazem mitose (a divisão celular que resulta em duas células filhas idênticas, como clones). Logo, a possibilidade de um óvulo ter se dividido e sido fecundado por dois espermatozóides diferentes também não existe.

E lembrem-se, cada óvulo é fecundado por um único espermatozóide. Não existe a hipótese de um óvulo ser fecundado por dois espermatozóides diferentes (isso daria uma célula 3n! E nem me pergunte o que sairia dessa bagunça!).

No final da matéria você descobre que chamar os dois irmãos de gêmeos é meio forçado. Na verdade, a mãe fez um tratamento de fertilidade, produziu 5 óvulos diferentes que foram fecundados por 5 espermatozóides diferentes. Desses 2 foram implantados e deram origem ao menino. Os outros foram congelados e cinco anos depois, um foi descongelado, implantado e deu origem à menina. Eles seriam gêmeos simplesmente porque foram fecundados na mesma “batelada”. Bom, eles não têm o mesmo DNA (como univitelinos), nem vieram de óvulos e espermatozóides diferentes mas dividiram o mesmo útero por nove meses (como gêmeos bivitelinos fariam). Bom, pelo menos eles não dividiram o mesmo útero ao mesmo tempo... Você e seu irmão também se abrigaram no mesmo útero por nove meses (apesar de não ao mesmo tempo) e ninguém chama vocês de gêmeos, chama?

Enfim, esse é só um exemplo de como as coisas às vezes são mal-comunicadas. Nenhum jornalista tem o dever de saber tudo sobre todos os assuntos que ele divulga (imagine um editor-chefe de um jornal tendo que saber tudo sobre política, economia, ciência, tecnologia, fofoca, cultura e a programação dos cinemas?). Mas ele deve ter suporte de especialistas para impedir que informações erradas sejam veiculadas, como nesse caso. A matéria no caso, nem tinha nenhuma informação incorreta, só o link da página inicial do portal. Bom, de qualquer maneira, o erro está corrigido aqui (e já foi corrigido por lá).

Quem sabe um dia me chamam pra fazer consultoria pro site?


Por Luiza Montenegro Mendonça, muito orgulhosa porque finalmente conseguiu deixar o texto do post com o alinhamento justificado!

3 comentários:

  1. Chamada sensacionalista, comum no Globo.com...

    ResponderExcluir
  2. O que eu acho muito engraçado é a diferença entre as chamadas do G1 e do globo.com, comparadas às chamadas do site do O Globo (o jornal).

    ResponderExcluir
  3. O jornal O Globo é bem diferente, muito mais sério. Leio o Globo.com sem compromisso, e dou boas risadas com as besteiras que escrevem rsrs.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...